Ir direto para menu de acessibilidade.
Portal do Governo Brasileiro

Todas as crianças de 6 meses a menores de 1 ano devem ser vacinadas contra o sarampo

Início do conteúdo da página

Síndrome Hemolítico-Urêmica (SHU): o que é, causas, sintomas, tratamento, diagnóstico e prevenção

Escrito por alexandreb.sousa | | Publicado: Sexta, 16 de Agosto de 2019, 16h33 | Última atualização em Sexta, 16 de Agosto de 2019, 16h22

O que é a Síndrome Hemolítico-Urêmica (SHU)?

É uma doença grave, caracterizada pelo conjunto de sinais e sintomas que são manifestados por anemia hemolítica microangiopática, trombocitopenia e lesão renal aguda, chamada de tríade, podendo acontecer ou não após episódios de diarreia com sangue.

IMPORTANTE: Em geral, todas as pessoas estão vulneráveis a adquirirem infecção por microrganismos que causam a Síndrome Hemolítico-Urêmica (SHU), porém sua ocorrência é mais frequente em menores de 5 anos e em pessoas idosas.

O que causa a Síndrome Hemolítico-Urêmica (SHU)?

A Síndrome Hemolítico-Urêmica (SHU) pode ter origem infecciosa e não infecciosa. A que tem maior relevância epidemiológica é a infecciosa, causada pelas bactérias Escherichia coli produtoras da toxina Shiga (STEC).

Estas bactérias podem causar desde diarreia leve até casos graves de colite hemorrágica (infecção intestinal sanguinolenta), que podem evoluir para complicações extra intestinais graves como a SHU.

Embora a E. coli O157:H7 seja o sorotipo mais reconhecido, outros sorotipos são responsáveis por um número considerável de casos, como  por exemplo: O26, O45, O111, O121, O103, e O145 (que causam aproximadamente 71% dos surtos não causados pela O157:H7). Outros microrganismos tais como Shigella dysenteriae , CampylobacterAeromonas, Enterovirus etc. também podem estar associados com essa síndrome.

Como ocorre a Síndrome Hemolítico-Urêmica (SHU)?

A Síndrome Hemolítico-Urêmica pode ocorrer como agravamento de uma infecção adquirida após o consumo de água e/ou alimentos contaminados ou pelo contato direto com fezes de humanos ou animais infectados.  A doença também pode ocorrer em decorrência de fatores não infecciosos  ̶  causas atípicas (uso de medicamentos, herança genética, transplantes, gravidez), secundárias a doenças coexistentes (sepse, hipertensão maligna e tumores) ou causa idiopática.

Onde são encontradas as Escherichia coli, produtoras da toxina Shiga (STEC)?

As STEC são bactérias emergentes que podem ser encontradas em várias espécies de animais domésticos e selvagens, entretanto, o principal reservatório natural da bactéria E. coli O157:H7 é o trato gastrointestinal do gado (bovino, bufalino e ovino) saudável.

A bactéria pode ser eliminada pelas fezes que, por sua vez, tende a contaminar águas de superfícies ou subterrâneas, bem como culturas de hortifrutigranjeiros, solo e produtos de origem animal como queijos e leite cru.

Quais alimentos estão mais associados à transmissão de STEC?

Carne crua ou malcozida, sucos, leite e seus derivados que não passaram pelo processo de pasteurização ou fervura; hortaliças, legumes, verduras e frutas contaminados por esterco não tratado de animais, geralmente relacionado aos processos de adubação orgânica e água para consumo humano não tratada devidamente com cloro.

 

Como prevenir a Síndrome Hemolítico-Urêmica (SHU)?

Assim como para as doenças diarreicas agudas, a prevenção da SHU está relacionada ao consumo de água tratada e de alimentos higienizados e preparados adequadamente. Dessa forma, envolvem medidas relacionadas à: 

  • produção: manejo adequado da criação de animais destinados à produção de alimentos; cuidado com o manuseio e destinação correta dos seus dejetos; separação de animais doentes do local de pastagem e confinamento;
  • comercialização: monitoramento da qualidade higiênico-sanitária dos alimentos e ações de fiscalização;
  • implantação das boas práticas de manipulação em toda a cadeia alimentar.

 

IMPORTANTE: O saneamento básico, bem como as práticas adequadas de higiene, são as medidas mais efetivas para evitar as infecções.

Após a infecção, em quanto tempo a pessoa desenvolve a doença?

O período de incubação varia entre 3 (três) a 8 (oito) dias, com duração média de quatro dias. O início da doença é caracterizado por intensas cólicas abdominais, diarreia abundante e febre de curta duração, podendo ocorrer vômitos. Após dois dias, as fezes apresentam-se sanguinolentas na maioria dos casos, com presença de coágulos e intensificação de dor abdominal. Cerca de 10 a 15% dos pacientes com colite hemorrágica evoluem para SHU.

Como diagnosticar a Síndrome Hemolítico-Urêmica (SHU)?

A Síndrome Hemolítico-Urêmica (SHU) geralmente é diagnosticada a partir da avaliação do quadro clínico e dos exames hematológicos, de função renal e de pesquisa de bactérias nas fezes, por meio de coprocultura (que deve ser feita preferencialmente no início da manifestação da doença  ̶  primeira semana).

O diagnóstico precoce da doença e os avanços no tratamento da insuficiência renal aguda e da anemia contribuem para a diminuição da mortalidade durante o período agudo.

Como tratar a Síndrome Hemolítico-Urêmica (SHU)?

O tratamento da Síndrome Hemolítico-Urêmica (SHU) consiste em um conjunto de medidas de suporte, geralmente em unidade de terapia intensiva (UTI) e cuidados especializados para o alívio dos sintomas e da progressão da gravidade da doença.

Medidas de suporte Terapêutica dirigida

 

  • Transfusão sanguínea
  • Transfusão de concentrado de plaquetas
  • Diálise
  • Controle da pressão arterial
  • Suporte nutricional adequado

 

  • Plasmaferese
  • Eculizumab, um anticorpo monoclonal anti-C5
  • Transplantação renal e ou hepática

Situação epidemiológica da Síndrome Hemolítico-Urêmica (SHU)

A incidência global anual é de 2,1 casos/100.000/hab., com maior incidência em crianças menores de 5 anos, sendo 6,1/100.000 hab. É conhecida como responsável por cerca de 50% das lesões renais agudas em idade pediátrica. A menor incidência é observada entre os adultos de 50 a 59 anos (0,5 casos por 100.000 hab). Diversos surtos relacionados à SHU aconteceram em diferentes países no período de 1982 a 2011 causados pela bactéria E. coli O157:H7. Essa síndrome é endêmica na Argentina, apresentando uma ocorrência de 12,2/100.000/hab. casos em menores de 5 anos de idade.

No Brasil, entre 2009 a 2018 (dados sujeitos a atualização) foram notificados, no Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), 112 casos de SHU e, destes, 59 casos (52%) foram confirmados.

Para saber mais, acesse:

European Centre for Disease Prevention and Control. Shiga-toxin/verocytotoxin-producing Escherichia coli (STEC/VTEC) infection. Annual epidemiological report for 2017. ECDC, 2019. 

Food and Agriculture Organization of the United Nations World Health Organization. Shiga toxin-producing Escherichia coli (STEC) and food: attribution, characterization, and monitoring. Rome, 2018.

Europe's journal on infectious disease surveillance, epidemiology, prevention and control. Haemolytic uraemic syndrome and Shiga toxin-producing Escherichia coli: Collection Contents.

registrado em:

Assuntos em destaques

Fim do conteúdo da página