Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página
APOIO FEDERAL

Pará recebeu R$ 164,5 milhões para enfrentamento do coronavírus

Escrito por Gustavo Frasão | | Publicado: Quarta, 27 de Maio de 2020, 18h24 | Última atualização em Sexta, 29 de Maio de 2020, 15h03

Ao todo, o estado recebeu do Ministério da Saúde, neste ano, R$ 1,3 bilhão, que inclui recursos para a rotina dos serviços de saúde e valores extras para fortalecer o SUS diante da pandemia

Foto: Erasmo Salomão / ASCOM MS

O estado do Pará já recebeu do Governo do Brasil o aporte de R$ 164,5 milhões voltados exclusivamente para o combate à pandemia por COVID-19. O objetivo é auxiliar os gestores locais do Sistema Único de Saúde (SUS), ou seja, estado e municípios, na melhoria e ampliação das ações de combate à doença, além da assistência necessária à saúde da população. Entre janeiro e maio deste ano, o Pará também recebeu R$ 1,1 bilhão de recursos de rotina, ou seja, voltados à manutenção dos serviços de saúde.

Além dos recursos diretamente repassados para o estado, o Ministério da Saúde distribuiu medicamentos, testes de diagnóstico, equipamentos de proteção individual para os profissionais de saúde, além de outros materiais e insumos. Até o momento, o estado registra 28.600 casos e 2.469 óbitos pela doença.

Nesta quarta-feira (27), o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, cumpriu agenda na capital Belém ao lado do governador do estado do Pará, Helder Barbalho, e do Secretário de Saúde do Pará, Alberto Beltrame, e visitou as instalações de algumas unidades de saúde. O objetivo foi conhecer a realidade dos hospitais, as necessidades da população e as demandas do estado e interior, além de alinhar ações estratégicas conjuntas para ampliar o combate ao coronavírus.

“Temos que continuar melhorando a capacidade de atendimento da capital para que tenhamos possibilidade de fazer frente à demanda que ainda vai acontecer no interior”, explicou o ministro interino da Saúde.

Um dos locais visitados foi o Hospital de Campanha de Belém, que tem 420 leitos de baixa e média complexidade e está recebendo pacientes estáveis do coronavírus. O hospital atende pessoas da região metropolitana de Belém e demandas das regiões nordeste e Marajó Oriental. Os atendimentos e leitos são destinados aos pacientes com sintomas leves ou moderados, que não necessitam de internação em Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Ao longo do dia, o ministro interino da Saúde, Eduardo Pazuello, também visitou a Policlínica Metropolitana, unidade que começou a funcionar em janeiro deste ano e que tem capacidade de fazer até 1.500 atendimentos diários. O local oferece atendimento clínico e cirúrgico, além de exames e outros procedimentos direcionados aos pacientes do Sistema Único de Saúde (SUS). O local está equipado para fazer diagnóstico, por exames de imagem, dos pacientes com a doença. Se for caso leve, o paciente sai com o medicamento em mãos e, em casos graves, é encaminhado para um hospital especializado.

“Me impressionou o trabalho desenvolvido pela Policlínica com as ações de triagem. É uma medida que estamos discutindo no Ministério da Saúde e que já vem sendo feita pelo governo do Estado. É algo muito resolutivo e estou levando como exemplo para a gente poder implantar também onde tem maior incidência no país”, destacou Pazuello.

O Hospital Regional Abelardo Santos também fez parte dos compromissos do dia. O local começou a funcionar em setembro de 2019 com 269 leitos, sendo 150 de internação, 60 de UTI e 30 de Unidade de Cuidados Intermediários. No dia 30 de abril deste ano mudou o perfil de atendimento e tornou-se exclusivo para casos do coronavírus, desde o atendimento a pacientes leves à hospitalização, se necessária, aos casos moderados e graves.

BALANÇO DE AÇÕES NO PARÁ

Além dos recursos enviados ao estado, o Pará também recebeu a habilitação de 336 leitos de UTI voltados exclusivamente para os casos graves e gravíssimos do coronavírus. Desse total, 14 são de UTI pediátrica. A medida contemplou oito municípios, além da capital Belém, que teve 182 leitos habilitados. Para essas habilitações, o Ministério da Saúde já enviou, em parcela única, o valor de R$ 48,4 milhões para estado e municípios, referentes ao custeio dos leitos pelo período de 90 dias ou enquanto durar a pandemia.

Na parte de medicamentos, o Ministério da Saúde enviou 98.680 caixas de Oseltamevir (30mg, 45mg e 75mg) e 215 mil caixas de cloroquina. Ambos os medicamentos podem ser usados no tratamento do coronavírus, associados ou não a outras terapêuticas ou procedimentos indicados pelos médicos, conforme cada caso.

O estado do Pará também recebeu, até o momento, 2.957.157 Equipamentos de Proteção Individual (EPIS) usados para a proteção dos profissionais de saúde, como máscaras, luvas e aventais, além de 15.670 litros de álcool em gel. Além disso, o Ministério da Saúde enviou ao estado 170 ventiladores pulmonares, sendo que 40 foram entregues no último fim de semana (23 e 24/05).

O estado do Pará recebeu do Governo Federal 172.940 de testes rápidos e 165.676 testes de RT-PCR, além de 2.687.700 doses de vacinas da gripe para a Campanha Nacional Contra a Gripe, que segue até o próximo dia 5 de junho. A vacina não tem eficácia contra o coronavírus, porém, neste momento, auxilia os profissionais de saúde na identificação dos casos de COVID-19, excluindo da investigação os casos de gripe, tendo em vista que os sintomas podem ser semelhantes, além de reduzir a procura por serviços de saúde.

Saiba mais sobre coronavírus acessando nossa página especial

Por Gustavo Frasão, da Agência Saúde
Atendimento à imprensa
(61) 3315-2745 / 2351

Fim do conteúdo da página